segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

"Segunda Opinião" #73- "Filha da Lei"

 
Estreada a 29 de setembro de 2014, "Segunda Opinião" é uma parceria com o site Fantastic Televisão, onde todas as semanas é abordado um assunto do mundo televisivo.

"Filha da Lei"

Em 2013, nasceram "Os Filhos do Rock". Três anos depois, a Stopline Films e a RTP voltam a juntar-se na criação de uma série portuguesa. "Filha da Lei" surge envolta em grande expetativa e a nova aposta da estação pública não desilude, provando que é possível fazer uma ficção boa e diferente em português.

A história da "Filha da Lei" arranca quando a Inspetora-Chefe Isabel Garcia (Anabela Moreira) é designada para comandar a investigação do assassinato de uma jovem encontrada junto ao rio. Neste novo caso, a 5ª Brigada vai contar com a ajuda de um novo elemento, o Inspetor estagiário Samuel Lopes (Tomás Alves).

Se procura ver uma das típicas séries policiais a que estamos habituados a ver em Portugal, a "Filha da Lei" não é para si. Não tem tanta ação como "O Bairro" (TVI) nem é demasiado familiar como Inspetor Max (TVI). Na verdade, a nova série da autoria de Pedro Varela acaba por ter uma linguagem visual e narrativa muito própria, não podendo ser comparada a nenhuma outra produção. Será, acima de tudo, uma série bastante real. Uma realidade nua e crua, como é raro ver em televisão.

A direção de fotografia de William Sossai destaca-se entre os vários aspetos técnicos. Formalmente irrepreensível, a "Filha da Lei" adota um visual dark, próximo daquele que vimos em "Os Filhos do Rock", mas agora com uma estética bastante moderna e próxima do que se faz em séries americanas. Não será, por isso, exagero se dissermos que a imagem de a "Filha da Lei" será tão boa quanto a de "CSI" ou "Investigação Criminal", por exemplo.

A série portuguesa vai mais longe, ao voltar a aproximar-se da linguagem cinematográfica. Depois de "Terapia", esta é provavelmente a série da RTP1 que melhor consegue isso. A direção de arte de Nuno Mello é também responsável pela criação dos ambientes, espaços e dinâmicas completamente adequadas à ação da história. Por momentos, acreditamos que "aquela casa" é mesmo "a casa daquela pessoa" e não um cenário construído para a série.

Yuri Alves e Sérgio Graciano são os realizadores e o seu trabalho é também de assinalar. Dos dois primeiros episódios, destaca-se a sequência que acontece na casa de Jaime (Ivo Canelas), quando Isabel vai procurar a filha (Alba Baptista) à casa do ex-marido e encontra-o com Olívia (Bárbara Lourenço). As opções de realização e a interpretação dos dois atores principais acabam por trazer uma tensão necessária à cena, algo desejável nesta produção.

A "Filha da Lei" e "Terapia" têm ainda em comum o destaque dado a cada ator, embora este assuma diferentes graus de importância em cada uma das produções. Mais do que em outras séries, aqui os atores têm espaço para brilhar e mostrar aquilo que realmente valem. O que perdemos, por vezes, em ação, ganhamos em tensão dramática, com diálogos bem conseguidos a trazerem ao de cima as várias facetas de cada personagem. E, muitas vezes, com cenas em que não existem sequer palavras e são os gestos que mais importam no trabalho dos atores.

Anabela Moreira e Ivo Canelas são duas das caras que vieram de "Os Filhos do Rock" e que assumem aqui o protagonismo, destacando-se, por isso, do restante elenco. Ainda assim, nomes como Alba Baptista ou Tomás Alves vêm provar que a nova geração de atores têm ainda muito talento por revelar.

Enquanto isso, "Filha da Lei" continuará a ir para o ar às terças-feiras, pelas 22h15, na RTP1. Mesmo que a as audiências não sejam boas, é inegável que esta série deixará a sua marca na televisão portuguesa, ainda que passe despercebida à maioria dos telespectadores.


Por: André Pereira (Fantastic TV)
Uma rubrica com a parceria do "Fantastic Televisão"

Partilhe esta notícia

0 comentários: