Artigos recentes

"Televisão em Opinião" #7- Zé Gato (especial: Vitória convida)


Hoje convidei um amigo, um homem que já esteve do outro lado das cámaras e que como todos aqui, respira televisão e tem uma opinião a dar sobre todos os assuntos. Leiam em baixo o texto dele.

Em 1978, o então centro português de cinema, extinta cooperativa cinematográfica, produziu para a RTP, e posteriormente realizada por Rogério Ceitil em 1979 a série policial "Um Gato no Caixote do Lixo", este foi o nome original desta série que teve um estrondoso êxito na televisão publica na época, no entanto o titulo final foi abreviado para "Zé Gato". Esta série, a 1ª de ficção nacional na televisão portuguesa, foi também pioneira em episódios pilotos para avaliação por parte da RTP e estreou no mesmo ano numa 5ª feira a 13 de Dezembro na RTP2 ainda a preto e branco.

Ao longo de 12 episódios, "Zé Gato", contava a história de um policia, supostamente, da judiciária que combate o crime na Lisboa pós-revolução de 1974; os meandros sujos de cada canto; os assassinios, os negócios escuros feitos na noite e dia desta cidade que ganhou a liberdade mas que tambem trouxe aspectos menos positivos.

O protagonista desta serie é o actor Orlando Costa (Zé Gato), que pudémos ver recentemente na novela da RTP "Os Nossos Dias", e que conhece muito bem os meandros da cidade, na altura não era normal trabalhar-se sob disfrace e fazia da sua postura recta, da coragem e da forma como que batia, com vigor, a sua marca. Tinha um tique, que era fazer passar uma moeda pelos dedos da mão. Simples e desenrascado tem 1 informador que dá pela alcunha de “matriculas”, que foi interpretado pelo actor Luis Lello, entretanto falecido pouco tempo depois do fim da série.

Matriculas é um ex-recluso preso precisamente por Zé Gato, mas que rapidamente se tornou no melhor amigo do policia, ambos utilizam a máxima de que uma mão lava a outra e com isso tem posto a sua vida em risco para ajudar o seu melhor amigo, ao ponto de Zé estar internado num hospital depois de o tentarem matar e matriculas ir no seu lugar para uma das suas operações policiais.

Outro grande amigo de Zé Gato é um ex-agente, já reformado e que é chamado de "mestre", personagem interpretada por Canto e Castro, também já falecido. "Mestre" é um guru para Zé Gato, pois é a ele que recorre para que este lhe dê dicas de como prosseguir com o seu trabalho da melhor forma.

Mas a quem Zé Gato deve obediência é ao seu chefe o inspector Duarte, personagem assumida pelo actor António Assunção, também já falecido. Este inspector peza-se por ser austero, mas no fundo aprecia o seu suburdinado, pela sua coragem.

No ultimo episódio o inspector espera a chegada em Lisboa de um agente da CIA interpretada pelo actor Rui Mendes, a quem teria de mostrar a cidade e começaria aqui novas aventuras para esta nova dupla.

Infelizmente para o actor Orlando Costa, durante as gravações parte uma perna o que faz com que tenha de sair e consequentemente as gravações param após o 6º episódio e a série é interrompida só regressando aos ecrãs cinco meses, em Junho, e desta vez à 3ª feira, sendo que agora já é transmitida a cores, fazendo com que a imprensa na altura pensasse que a série fosse dividida em 2 partes, ao que o realizador se apressou a desmentir.

"Zé Gato" foi gravado em varios locais de Lisboa e foi montado na Tobis Portuguesa, a musica do genérico ficou conhecida de todos pelo famoso refrão: «Quem és tu Zé gato?» e foi escrita por Jorge Palma e pelos irmãos Tozé e Pedro Brito, a voz é a de Pedro Brito.

Quem quiser ver ou rever esta excelente série poderá fazer ao fim de semana na RTP Memória a meio da manhã e com repetição à hora do jantar e a meio da madrugada.

Por: Alexandre Esteves

Diário da TV Designed by Templateism.com Copyright © 2014

© Copyright DiáriodaTV . Imagens do modelo de 5ugarless. Tecnologia do Blogger.